H. P. Lovecraft

letter3.jpg

Em 20 de agosto de 1890 nascia em Providence, Rhode Island, Howard Phillips Lovecraft, o criador de Cthulhu e Dagon.

Sim, até hoje sua obra obra o precede e à exemplo do que ocorre com Robert E. Howard e seus admiráveis guerreiros Conan e Kull, a grande maioria dos leitores de H. P. Lovecraft conhecem apenas as suas criações e principalmente uma versão deturpada ou modificada de suas criações originais.

O advento de suas obras ao mundo dos “domínios públicos” abriu muita oportunidade para que seus monstros e entidades cósmicas fossem revisitados, dando a eles a cada adaptação uma roupagem diferente, mas sempre deixando claro que princípio básico usado por Lovecraft em cada uma de suas criações, o horror pessoal, interior e destruidor.

atthemountainsofmadness.jpg

Lovecraft auto-intitulava suas produções literárias como obras de “cosmicismo” ou “horror cósmico” onde a vida era incompreensível ao ser humano e o universo era infinitamente hostil aos seus interesses. Em suas obras ele expressa uma profunda indiferença às crenças e atividades humanas, assim como uma atitude profundamente pessimista e cínica, muitas vezes desafiando os valores do Iluminismo, do Romantismo, do Cristianismo e do Humanismo. Os protagonistas de Lovecraft eram o oposto dos tradicionais por momentaneamente anteverem o horror da última realidade e do abismo.

Joyce Carol Oates chegou a afirmar: “Lovecraft, assim como Edgar Allan Poe no século XIX, tem exercido uma influência incalculável sobre sucessivas gerações de escritores de ficção de horror

Seus trabalhos originalmente foram produzidos em contos que foram reunidos no Cthulhu Mythos, sendo o primeiro deles foi Dagon, publicado na Weird Tales e o grimório conhecido como Necronomicon, um fictício livro de invocação de demônios escrito pelo também fictício Abdul Alhazred.

Na Weird Tales ele chegou a trabalhar como ghostwriter escrevendo inclusive material para “Sob as Pirâmides” (“Under the Pyramids“, também conhecida como “Imprisoned with the Pharaohs“) que eram intituladas como obras de Harry Houdini.

cthulhu.jpg

A maior parte de seus contos, como “O Chamado de Cthulhu“, “Um Sussurro nas Trevas“, “A Cor que Caiu do Céu“, “Sombras Perdidas no Tempo” e “Nas Montanhas da Loucura“, são narrados em primeira pessoa. Em algumas histórias, todos os acontecimentos são vividos pelo narrador, como em “Sombras Perdidas no Tempo“. Em outras, o narrador convive com algumas personagens e toma parte dos fatos

O período em que Lovecraft mais produziu foi quando se correspondias com Robert E. Howard, além de outros escritores da época, momento que criou suas mais extensas obras, como Nas Montanhas da Loucura e O Caso de Charles Dexter Ward, seu único romance.

A perda de Howard por suicídio foi um baque muito grande para o já fragilizado Lovecraft que já não conseguia conscientemente alcançar o público devido a complexidade das construções literárias que produzia se dedicando a sobreviver de revisões e do trabalho como ghostwriter.

H. P. Lovecraft veio a falecer em 18 de março de 1937, cinco dias após se ver obrigado a ser internado no Hospital Memorial Jane Brown, após suportar por longos meses as dores lancinantes de um câncer no intestino, sendo enterrado no jazigo da família que foi posteriormente restaurado e devidamente demarcado por fãs e hoje exibe a frase “Eu sou Providence“, extraída de uma de suas cartas.

H.P._Lovecraft_plaque_w_stuffed_Cthulhu.jpg

Lovecraft também escreveu o ensaio “O Horror Sobrenatural na Literatura“, ainda considerado o mais importante sobre o gênero, mesmo tendo se passado mais de setenta anos da sua publicação. O surgimento, posteriormente, de autores como Robert Bloch e Stephen King não alterou este fato.

Até hoje, ou melhor dizendo, ainda mais hoje H. P. Lovecraft continua agregando cada vez mais fãs sob as sombras de suas criaturas horripilantes inspiradas nos mais profundos e íntimos pesadelos que o perseguiram em vida e hoje são representados por infindas reproduções e homenagens feitas nos mais variados meios de entretenimento: Filmes, desenhos animados, jogos de videogame, jogos de tabuleiro, RPG e até mesmo música.

A certeza que temos e que em algum canto do infindo universo bárbaros e conquistadores estão empunhando suas espadas sob seus uivos de guerra para as silhuetas indescritíveis de criaturas gigantescas com seus tentáculos que brandem impiedosamente sobre as silhuetas dessa terra ainda desconhecida.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s